Perguntas sem respostas

De que vale todo o afeto espalhado em carinhos?
De que vale tudo isso que se acredita sentir,
que se acredita existir como o que nos dá vida?
De que vale aquilo que acredito?
Como entender o que não se pode ver?
É possível viver para amar até a consumição total?
Continue lendo “Perguntas sem respostas”

Anúncios

Novas considerações sobre arte

Fazer arte é um ato de coragem.

Todo artista, antes de encontrar-se com sua obra, tem um intenso diálogo consigo mesmo – e não necessariamente é um diálogo tranquilo.

Muitas vezes, como Dante em sua “Divina Comédia”, precisamos encontrar o pior em nós antes de quedar-nos em campos sublimes. Continue lendo “Novas considerações sobre arte”

Esse teimoso menino

Para o curitibano (ou quem se “curitibaneia”, como afirma Barbara Kirchner), toda saída de Curitiba é uma crise existencial, um autoexílio. Como visitante, atesto que quem chega a Curitiba encontra solo fértil para fincar raízes. Quem sai de Curitiba, por sua vez, torna-se naturalmente apátrida.  Enquanto eu sofria para reacostumar-me aos congestionamentos paulistas, meu eu-menino protestava: “Curitiba não nos poupa de saudade!” Logo surgiu a lembrança desse texto, íntimo e obscuro como um encontro na Boca Maldita.

Com vocês, o próprio:

Continue lendo “Esse teimoso menino”

Cara ao cuspe

Quando a gente escolhe amar alguém até as últimas consequências, assumimos o risco de oferecer nossos dentes ao murro.

Quando gostamos de forma verdadeira, sem máscaras de proteção ou aventais de segurança, damos nossa cara ao cuspe.

Todo amor é um risco iminente de dar errado, da pessoa perfeita falhar, de uma palavra errada ferir nossas entranhas e retirar-nos o sono. Toda entrega é uma chance de cair no abismo.
Continue lendo “Cara ao cuspe”

27 lições dos meus 27 anos

1. Sempre esteja de acordo com suas próprias convicções mesmo que, por vezes, você se contradiga. A contradição é o direito de quem pensa melhor.

2. Desfrute, sempre que possível, de seu anonimato.

3. Os amigos são nossa reserva de calor para os dias frios, nosso montante financeiro em tempos de crise, o colo para nossas traquinagens. Eles são tudo o que temos. Continue lendo “27 lições dos meus 27 anos”

Uma vida crepuscular

“Quem olha nos olhos de seus fantasmas nunca mais é o mesmo.”

Naquela Mauá de lembranças ternas e antiquíssimas, algo particular me ronda a mente. Nestes momentos, é incrível perceber como algo tão distante pode materializar-se em meus pensamentos: o crepúsculo. Como poderei definir a sensação mágica de uma criança ao assistir quase diariamente aos mais belos crepúsculos de sua vida?

Em minhas imaginatividades, creio que o crepúsculo é o momento onde o tempo entra em suspensão. A mágica ilumina o ambiente. Quem para para assistir pode tocar esta atmosfera etérea. Eu, particularmente, fui criado em um lugar alto. Nas palavras de Herivelto Martins, esse detalhe me deixava “mais pertinho do céu”. Nas costas da casa, o sol se punha. À frente vinha o clarão de seu nascimento. Ao ler a Odisseia de Homero, aprendi que a deusa Aurora vinha pessoalmente em sua carruagem para acordar o Sol. Sem querer, passei a desejar-me encontrar com ela, mesmo que por um segundo.

Continue lendo “Uma vida crepuscular”

Santo André, um tutorial

20180416_173929

“Alguma coisa acontece quando ando a pé / Pelas avenidas do centro de ti, Santo André”

o futuro já começou quando encontro Santo André, é incrível como minha sintonia com a cidade não se perde, aos poucos me vejo dentro de seus cruzamentos e faróis, é verdade que tudo isto tem um alto preço para o ambiente, sou fruto desta paranoia urbana, mas tudo também tem suas alegrias. o céu estava cinza e é assim que gosto de ver a minha terra da garoa particular, que é mãe da garoa de são paulo

pra quem não conhece esta é a avenida edson danillo dotto, mas qualquer andreense chama de avenida perimetral, o primeiro e eterno nome

Continue lendo “Santo André, um tutorial”

Um bilhete a Paranapiacaba

Uma antiga egotrip de dezembro de 2017, maturada e publicada em abril de 2018. Sempre é tempo, aliás: não seria o Tempo uma concepção relativa?

(Início da egotrip)

DSCF3633

Permaneço longe. Ainda em mim não se aquietam muitas vagas. O horizonte dói na vista de quem o enfrenta. Por isso aprendo a andar mais lento, lutando contra estas vagas que por vezes se apoderam de meu corpo. É dia. As poucas nuvens presentes me sorriem. É dia de andar no trem que leva a Paranapiacaba. Para onde levará, ou melhor, por que caminhos segue o trem de minhas memórias? É difícil falar quando se tem tanto a observar. Continue lendo “Um bilhete a Paranapiacaba”