Elegia à amizade

No meu peito já definha a esperança outrora acesa;
dor incrivelmente minha, de perder a grã beleza
do momento em que te vi.

Olhos fitos no absurdo, desencontro em cada gesto.
Para mim, ouvidos surdos; eu a ti virei protesto.
Sem calar-me, bem sofri.
Continue lendo “Elegia à amizade”

Anúncios

Sobre o ofício criativo

O trabalho não é feito só por mãos,
mas também pelo improviso do Mistério.
Um artista comunica todo o tempo:
solitário, nunca faz o seu ofício.
Quando pede ao Universo, ele o obtém,
recebendo muitas luzes lá do alto. Continue lendo “Sobre o ofício criativo”

O sagrado prazer da criatividade

Senti falta do ócio criativo nos últimos dias. Tive, portanto, que arrumar algum tempo livre para rabiscar versos e consertar palavras – longe do sudoku ou das torturas matemáticas, agrada-me a arte dos versos métricos. Adoro contar palavras e pensar se elas encaixam-se ou não em determinado ritmo. Como a arte da música também é constante em meu trabalho, a métrica é fundamental.

Falando em métrica, este poema foi escrito em versos hendecassílabos: ou seja, com onze sílabas. Os acentos tônicos localizam-se nas sílabas 3, 7 e 11.

Foi também interessante escrever sem pensar em rimas finais. Tenho treinado exercícios de concisão literária, seja na prosa ou na poesia (veja aqui uma de minhas últimas lições), e a ausência de rimas roubou-me a timidez. O importante foi a mensagem: o prazer artístico é o combustível que nos permite caminhar. Num domingo onde participei do Sarau da Casa Amarela, em São Miguel Paulista, este poema muito vem a calhar.

Sem mais conversas, segue o texto: Continue lendo “O sagrado prazer da criatividade”

Ponto A (rumo ao Ponto B)

As pessoas não querem mais ficar perto umas das outras.
Mas o que afasta não é a máquina, é o descontrole do uso.

As populações dos países veem seus governos afundados em escândalos.
Mas os erros dos governantes não ficam mais nas gavetas.

As grandes corporações manipulam nossa realidade.
Mas o jornalismo independente cresce aos borbotões.

O preconceito de diversos tipos tornou-se mais escancarado.
Mas a luta contra eles está mais aberta.

Não temos futuro, nem sabemos para onde ir.
Mas os grandes passos da História sempre são incertos.

Temos medo do que vai nos acontecer no futuro.
Mas nossos pais e nossos avós também tiveram.

Hoje o conceito de “família” está desestruturado.
Mas novas formas de família o completam.

Os artistas estão perdidos ou comprados.
Mas a Arte não.

Os jovens de hoje não serão como os adultos de hoje.
Mas serão os adultos do amanhã.

Não há desculpas para o pessimismo.
Tudo depende do seu ponto de vista.

DSCF3554

Puxa vida, o tempo está passando!

Encontrei, nesta manhã e por engano, um blog que escrevi no longínquo ano de 2006. O nome do tal: Abaixo os puristas!, assim mesmo, em negrito. Ainda recordo da minha sanha adolescente de tentar ser diferente do resto…

Dada tamanha nostalgia, pretendo publicar um poema dos meus quinze anos: quando saía da minha primeira velhice. Prometo que as correções feitas não tirarão a graça e a virgindade do texto original. Continue lendo “Puxa vida, o tempo está passando!”